Usina de Três Marias deve parar de gerar energia

Usina de Três Marias deve parar de gerar energia

A seca que castiga o Sudeste e o Nordeste do Brasil está prestes a fazer uma grande vítima no setor elétrico em Minas Gerais. A Usina de Três Marias, construída no leito do Rio São Francisco pode parar de gerar energia no fim de outubro ou início de novembro. Atualmente, ela opera com apenas duas das seis turbinas. Com capacidade total de 396 megawatts/hora (MWh), Três Marias tem em sua barragem apenas 4,5% do seu volume de água. Trata-se do nível mais crítico desde a inauguração, em 1962.

A água da represa baixou tanto que hoje é possível caminhar em parte do fundo da barragem, onde o cenário é de árida desolação. Onde antes os turistas se reuniam para avistar o “mar doce”, como alguns chamam Três Marias, não há uma gota d’água. O pier flutuante que ficava na margem está encalhado na poeira, longe da costa, rumo ao que deveria ser o fundo da água. A longa cerca erguida para isolar a usina, antes oculta sob as águas, emergiu totalmente e agora tem fim.

Na última quinta-feira, a água liberada pela usina foi reduzida de 150m3/s para 140m3/s, com o objetivo de garantir o nível mínimo do Rio São Francisco e preservar o reservatório, que está com apenas 4,4% da capacidade máxima. A decisão foi tomada em reunião da Agência Nacional de Águas (ANA), com a participação de representantes do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), da Cemig, da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) e de outros órgãos. 

Alerta

O risco de paralisação da Usina de Três Marias foi mencionado em um documento divulgado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco, entidade que monitora toda a região influenciada pelo rio. De acordo com a entidade, Três Marias tende a atingir no final de outubro, mais tardar no início de novembro, o “volume zero”, ou “volume morto”, como se convencionou falar.

“A represa ainda terá água, mas numa quantidade insuficiente para gerar energia”, explica Márcio Tadeu Pedrosa, coordenador do comitê responsável pelo Alto São Francisco, o trecho que corta o estado a partir da nascente.

Segundo Tadeu, o problema ocorre porque hoje a barragem, que funciona como uma caixa d’água, despeja rio abaixo muito mais água do que recebe do rio acima. Como a seca castiga o São Francisco desde a nascente, pouco mais de 30 metros cúbicos por segundo entram em Três Marias atualmente, mas na outra ponta estão sendo liberados cerca de 150 metros cúbicos por segundo.

A Cemig, empresa que tem a concessão da usina de Três Marias até 2015, foi reduzindo a geração ao longo do ano, desligando uma turbina de cada vez, à medida que a seca restringia a água. A falta de Três Marias sobrecarrega o sistema elétrico e precisa ser coberta por outras usinas hidrelétricas, térmicas e eólicas.

No entanto, a produção hoje é tão pequena, que já não é considerada fundamental no atual estágio da seca. “A Cemig acredita que pode manter a geração com a água próxima de zero, mas deixou se ser relevante se Três Marias vai ou não gerar energia porque ela está produzindo muito pouco”, diz Hermes Chipp, diretor geral do Operador Nacional do Sistema, o ONS, responsável pela gestão da energia no Brasil. “Operamos a usina pensando nos demais usuários e usinas que dependem da água rio abaixo.”

Depois de Três Marias, o Rio São Francisco continua seu curso pelo Norte de Minas e por outros seis Estados, abastecendo a agropecuária e a população de mais de 400 municípios, bem como outras cinco hidrelétricas, incluindo as de Xingó, entre Alagoas e Sergipe, o complexo de Paulo Afonso e a usina de Sobradinho, na Bahia, essenciais ao abastecimento de energia do Brasil.

O ONS defende reter um volume maior de água na barragem neste momento para que possa ter instrumentos para manter o abastecimento rio abaixo nas próximas semanas. “Para o setor elétrico, o importante é monitorar a água de Três Marias para garantir que Sobradinho chegue a final de novembro com 15%”, diz Chipp. Hoje, o reservatório da usina baiana tem 27,5% de água.

Comente essa notícia

Últimas postagens

CONHEÇA NOSSOS PRODUTOS

A Power Brasil Geradores possui vários grupos de geradores modernos, silenciosos e todos com um controle severo de qualidade e manutenção para uso contínuo em qualquer segmento.

Saiba mais [+]

SOBRE A POWER BRASIL

A Power Brasil Geradores é especializada em Locação de Grupos Geradores e infraestrutura Temporária desde 1996 tendo como foco a excelência no atendimento e demanda de energia.

Saiba mais [+]

ATENDIMENTO PERSONALIZADO

O principal foco da Power Brasil é atender cada cliente, independente do porte ou segmento, com agilidade e qualidade...

SUPORTE
TÉCNICO

Assistência completa sempre que precisar. O departamento de Engenharia da POWER BRASIL está apto a prover soluções inovadoras...

MANUTENÇÃO
PREVENTIVA E
CORRETIVA

Oferecemos manutenção preventiva a fim de evitar danos maiores aos grupos geradores por conta do uso frequente ou até mesmo esporádicos...

CONSULTORIA EM HORÁRIO DE PONTA

Reduza em até 30% na conta mensal de energia elétrica através da locação de geradores. O horário de ponta é o intervalo de 3 horas, definido de acordo com a concessionária local...



Geradores da Power Brasil em diversos segmentos

Localização

Matriz
Av. Padre Anchieta, 740A - Bairro Jordanópolis - São Bernardo do Campo/SP - CEP: 09891-420

Unidade Fortaleza
Av. Odilon Guimarães, 2027 - Lagoa Redonda - Fortaleza/CE - CEP: 60844-070

Unidade Jaú
Av. João Chamas, 1389 - Jd. Nova Jaú - Jaú/SP - CEP: 17213-485

Contato

Telefone de contato (11) 4368-1882
Telefone de contato (14) 3625-1303
Telefone de contato (85) 3119-9616
Contato Fone de contato

Ações Sociais

Patrocínio Fundação Cafu
Campanha criança feliz
A jornada do Rinoceronte
Copyright © 2015 Power Brasil Geradores - Desenvolvimento Agência
/Sem Limites